terça-feira, 10 de agosto de 2010

Amanhã há de ser outro

São 3:30 e Judith abre os olhos como se o despertador tocasse sem parar. O coração palpita como se corresse uma maratona. Lembra-se do que a disseram um dia, pra se concentrar nos sonhos mais bonitos, e isso faz com que o seu coração fique ainda mais acelerado, não os encontra. Tem vontade, agora sim, de correr ou falar as mentiras mais absurdas que tem inventado, mas logo o sol nasce e este será só mais um dia.

Um comentário:

  1. O sol nasce. Eu vi de perto. :)
    Que se há de fazer, Judith?

    ResponderExcluir