terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Deixando tudo

As despedidas eram como virar páginas de um livro que seria guardado novamente na prateleira e de lá não sairia por anos. Tornaria-se empoeirado, velho e amarelado - isso era o que pensava, porque uma vez lidas, aquelas palavras já estavam em suas entranhas, e retornariam. Não sei como, mas elas voltariam.

Um comentário: